Captação de córneas é realizada em Parnaíba

[Parnaíba] – A Central Estadual de Transplantes, da Secretaria de Estado da Saúde, fez a primeira captação e remoção de córnea de 2020 para transplante de um hospital regional para o Banco de Olhos, em Teresina. A ação foi realizada no Hospital Estadual Dirceu Arcoverde (HEDA), em Parnaíba, segunda-feira, dia 2 de março. Foram retiradas as duas córneas.

A equipe do Núcleo de Captação de Córneas do HEDA foi treinada e certificada pelo Banco de Tecidos Oculares do Hospital Getúlio Vargas, que visa ampliar a captação e remoção de tecidos e órgãos, como córneas, fígado e rins, o que vai diminuir a fila de espera. A logística do transporte do tecido corneano de Parnaíba a Teresina tem o apoio entre a Empresa Transportes Guanabara e a SESAPI, feito através de termo de cooperação.

Segundo a Coordenadora da Central de Transplantes, Lourdes Veras, os órgãos foram transportados com sucesso para Teresina. “Deu tudo certo na logística. O tecido já está no Banco de Olhos, do Hospital Getúlio Vargas, em Teresina, para avaliação. Foram seis doações de córneas em Parnaíba em julho de 2018 na época do treinamento da equipe do HEDA, mas somente agora a equipe foi formalizada para realizar este trabalho”, afirma a coordenadora.

No Piauí, hoje, a fila de espera para transplantes de córnea conta com 380 pacientes inscritos. Para entrar nessa fila por uma doação, o paciente é inscrito pela clínica ou hospital onde é diagnosticado, com a necessidade de realização do transplante. Essa fila é única e organizada nacionalmente pelo Sistema Nacional de Transplantes (SNT), mas obedece critérios regionais.

A Coordenadora da Central explica que o andamento da fila não segue um tempo cronológico de inscrição. Ela leva em conta a gravidade do paciente, a compatibilidade do órgão disponibilizado, além do quadro de saúde dos receptores. “Com esse atendimento em Parnaíba, nossa expectativa é de que aumente o número de transplantes de córneas e haja uma redução na lista de espera do nosso Estado”, diz. Lourdes Veras.

 

Responda

Your email address will not be published.