Após interferência de Militares e do Legislativo, Bolsonaro recua e Mandetta fica

[Brasília] – O Presidente Jair Bolsonaro havia decidido demitir o atual Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta nessa segunda-feira(06) tendo chegado até a formular convite ao deputado federal Osmar Terra, ex-ministro do governo Bolsonaro, para substituí-lo.

No entanto, Bolsonaro não contava com as fortes reações emanadas de fora e de dentro do próprio governo. Generais com assento no Palácio do Planalto e de fora do governo, senadores e deputados federais e até ministros do Supremo Tribunal Federal – STF se manifestaram de forma contrária a exoneração de Mandetta.

Por outro lado, nas redes sociais milhares de internautas espalhados por todo o país postaram manifestações de apoio a permanência de Mandetta no ministério da saúde.

Segundo o jornal El País, generais do Exército, um deles na ativa, com assento no Planalto, disseram que lhe faltaria apoio popular e político para demitir um ministro que tem seguido as recomendações das principais autoridades sanitárias do mundo; 2) congressistas o alertaram sobre a possibilidade de atrapalhar ainda mais a relação no Legislativo e de ver um dos pedidos de impeachment contra ele prosperar em médio prazo; 3) no Judiciário, ao menos dois ministros do Supremo Tribunal Federal queixaram-se de falta de liderança política no país.

Ainda segundo o El País, a pressão mais intensa, contudo, veio dos militares dias antes. Na noite de quinta-feira passada, quatro generais com assento no Planalto se reuniram com Bolsonaro logo após ele conceder uma polêmica entrevista à rádio Jovem Pan, na qual disse que faltava humildade a Mandetta e que ele deveria ouvi-lo mais. O quarteto disse a Bolsonaro que ele deveria se calar para não deixar a crise sanitária e econômica ainda mais grave. Pediram para ele não mexer em sua equipe, por enquanto. Tampouco provocar governadores e prefeitos que decretaram quarentenas. Disseram que, se ele não mudasse sua postura, poderia ser pressionado a deixar o cargo.

 

 

Responda

Your email address will not be published.