Dia Mundial de Higiene das Mãos reforça a medida contra a COVID-19

[Teresina] – A Organização Mundial da Saúde (OMS) definiu a data de 5 de maio como o Dia Mundial de Higiene das Mãos. O objetivo é estimular todos os serviços e profissionais de saúde a desenvolver ações que reforcem a adesão a prática de lavar as mãos como medida essencial para a prevenção e o controle das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (Iras).

Este ano, com a pandemia do novo Coronavírus, mais do que nunca, o simples ato de higienizar as mãos está sendo considerado o procedimento mais barato e efetivo para evitar a transmissão de doenças, como a COVID-19. “É uma medida de baixo custo que pode ser feita com água e sabão ou em caso da impossibilidade de usar esses dois produtos, a higienização poderá ser feita com o uso de álcool em gel a 70%”, explicou a diretora da Vigilância Sanitária do Piauí (DIVISA), Tatiana Chaves.

No ambiente hospitalar, a medida promove uma maior segurança dos pacientes internados e usuários dos serviços de saúde. “Nesse momento que enfrentamos de pandemia da COVID-19, não podemos relaxar com a higiene das nossas mãos, pois com essa medida, a gente com certeza consegue reduzir muito o número de pessoas infectados por essa e outras doenças”, acrescentou Tatiana Chaves.

A higienização das mãos deve ser um hábito contínuo, tendo em vista que bactérias, fungos e microorganismos estão sempre presentes no nosso ambiente. “É importante ressaltar que a higienização das mãos não deve se caracterizar como uma medida preventiva somente nesse momento que enfrentamos de pandemia. Bactérias, fungos e microorganismos estão no nosso ambiente e eles são principalmente carreados em nossas mãos, contribuindo para a contaminação e propagação de doenças”, completou a diretora.

As medidas de Higienização das Mãos são constantemente intensificadas nas unidades de saúde do Estado. Os Núcleos de Segurança do Paciente (NSP) e as Comissões Internas de Controle Infecção Hospitalar (CCIH) tem sido fundamentais para que essa ação seja eficaz no trabalho seguro, não somente dos profissionais de saúde, mas também de todos os usuários que procuram os serviços para atendimentos.

A descoberta sobre a importância de lavar as mãos –  Em 1846, quando Ignaz Philipp Semmelweiss era médico, assistente da primeira clínica obstétrica do Allgemeine Krankenhaus, em Viena (Áustria), a mortalidade dos pacientes era de três a dez vezes mais alta do que de a da clínica do mesmo hospital onde os partos eram realizados por parteiras.

Nessa unidade obstétrica, os médicos que faziam os partos também realizavam as autópsias nas parturientes que não resistiam. Logo, Semmelweiss percebeu que os profissionais deviam estar levando micróbios das autópsias às pacientes em trabalho de parto, contaminando-as. Infelizmente somente após sua morte, suas observações foram valorizadas e a higienização das mãos passou a ser reconhecida como importante ação na prevenção de infecções.

Com Informações da AMIB


Responda

Your email address will not be published.