Brasil dá primeiro passo na fabricação de radiofármacos

Empreendimento contará com investimento de R$ 750 milhões do Ministério da Saúde. Após a conclusão da obra, Brasil será autossuficiente na produção de radiofármacos

O Governo Federal deu o primeiro passo para a construção do Reator Multipropósito Brasileiro (RMB), empreendimento capaz de produzir radiofármacos utilizados no tratamento de doenças como o câncer. A iniciativa contribuirá para o fim da dependência externa de radioisótopos e para o fornecimento de radiofármacos ao SUS a preço de custo. A pedra fundamental da obra foi lançada nesta sexta-feira (08/06), em Iperó (SP), pelo presidente da República Michel Temer. O ministro da Saúde, Gilberto Occhi participou do evento e reafirmou que o investimento de R$ 750 milhões está previsto no orçamento da Pasta.

O presidente da República, Michel Temer, enfatizou que o projeto eleva o nosso patamar e promove o desenvolvimento do Brasil. “Para a área da saúde, a construção do relator fortalece muito o SUS. Vamos produzir o material para o sistema único de saúde a preços naturalmente mais baixos, e, desta forma, aumentar os atendimentos e levar esperança a quem está doente e precisa de ajuda”, explica o Presidente.

Desde 2009, o Brasil enfrenta dificuldades no abastecimento de radioisótopos e de radiofármacos, que hoje são importados. Isso se deve a paralisação do reator canadense que abastecia todo o mercado brasileiro e 40% do mundo. A partir disso, o país busca outros fornecedores importados, já que cerca de dois milhões de procedimentos médicos utilizam os radiofármacos, sendo que 24% são realizados no SUS.

O empreendimento reduzirá os riscos de desabastecimento no país e tornará o Brasil autossuficiente na produção dos radiofármacos. O ministro da Saúde, Gilberto Occhi, destacou o quanto isso impactará para a população. “O uso dessa tecnologia qualificará a atenção à saúde da população em diversas áreas que fazem uso da medicina nuclear, como cardiologia, oncologia, hematologia e neurologia. Permitirá a realização de diagnósticos mais precisos de doenças e complicações”, ressaltou o ministro.

A obra também contribuirá para ampliar os investimentos na área médica, já que permitirá a ampliação do atendimento em medicina nuclear para mais usurários do SUS.

ESTRUTURA

O Reator Multipropósito Brasileiro (RMB) será desenvolvido no Centro Experimental de ARAMAR da Marinha Brasileira, em Iperó. Ao todo, o RMB ocupará dois milhões de metros quadrados, onde além do reator terá a construção de laboratórios, aceleradores de partículas e lasers de alta potência. Também constará no local, laboratórios para o desenvolvimento e produção de radiofármacos.

O novo local ainda terá toda uma infraestrutura de laboratórios para realizar um grande e valioso conjunto de atividades. Os principais laboratórios associados são: laboratório de processamento e manuseio de radioisótopos; laboratório de feixe de nêutrons; laboratório de análise pós-irradiação; e laboratório de radioquímica e análise por ativação, além de instalações de apoio para pesquisadores.

ACORDO

Em março deste ano, o Ministério da Saúde e a Amazônia Azul Tecnologias de Defesa (Amazul) se tornaram parceiras para o desenvolvimento deste reator, que produzirá radiofármacos essenciais ao SUS. A assinatura do acordo foi realizada durante a 15ª Reunião do Grupo Executivo do Complexo Industrial da Saúde (GECIS). Na ocasião, ficou acordado que o montante de R$ 750 milhões será repassado nos próximos quatro ano, sendo R$ 30 milhões, já em 2018.

Por Victor Maciel, da Agência Saúde

Responda

Your email address will not be published.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More

Privacy & Cookies Policy