Ministro da Saúde visita Roraima e acompanha assistência a venezuelanos

[Boa Vista] – O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e outros cinco ministros de Estado (Defesa, Cidadania, Direitos Humanos, Educação, Controladoria-Geral da União) estiveram, na última quinta-feira (17/01), em Boa Vista (RR), para conferir as ações de assistência aos refugiados venezuelanos no âmbito da Operação Acolhida, do Governo Federal. Os chefes das pastas federais acompanham a situação dos imigrantes que estão em abrigos localizados na capital roraimense. Nesta sexta-feira (18/01), a comitiva está em Pacaraima (RR), onde conhecerão as atividades desenvolvidas pela Força-Tarefa Logística Humanitária, na fronteira com a Venezuela.

Os integrantes do Governo Federal ainda visitam a 1ª Brigada de Infantaria de Selva e se reuniram com o governador de Roraima, Antonio Denarium, no Palácio Senador Hélio Campos para tratar de assuntos relacionados à imigração dos venezuelanos.

Ao embarcar para Boa Vista, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, destacou a necessidade de reforçar a vacinação para proteger a população local e imigrantes de doenças que podem ser evitadas. “Tivemos uma epidemia de sarampo em Roraima, que se estendeu a outros locais. Por isso, precisamos alertar todo o Brasil da necessidade de a vacinação estar em dia. O trânsito de pessoas no país é muito intenso e nós precisamos manter o nosso status sanitário. Sinalizamos a todos os secretários de saúde e a todas as equipes de vacinação a importância de toda a população estar com o esquema vacinal completo, de fazermos um grande esforço para manter a nossa vacinação nacional em bom status”, apontou o ministro.

Durante coletiva de imprensa interministerial, realizada na noite de ontem (17), o ministro Luiz Henrique Mandetta elencou ainda ações adicionais para fortalecimento da vigilância. “Nesses 90 dias estaremos lançando uma série de medidas para reforçar a importância da vacinação em Roraima e em todo o território brasileiro. Aqui em Roraima também devemos aumentar os quantitativos de entregas de testes rápido para HIV/Aids e sífilis porque temos a informação de aumento dessas doenças no estado”, informou o ministro, destacando que as novas medidas serão adotadas para controle de doenças que podem ser prevenidas por meio de proteção e consciência de toda a população.

A vacinação é a forma mais eficaz e segura para prevenção de doenças como o sarampo. Atualmente, o país enfrenta dois surtos da doença em Roraima e Amazonas e outras nove Unidades da Federação também confirmaram casos de sarampo: Pará, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Pernambuco, Sergipe, São Paulo, Rondônia, Bahia e Distrito Federal. Os surtos estão relacionados à importação já que o genótipo do vírus (D8) identificado é o mesmo que circula na Venezuela.

Desde fevereiro do ano passado todas as medidas de bloqueio de vacinação, mesmo em casos suspeitos, são realizadas. O Ministério da Saúde tem garantido oferta de vacinas e enviou técnicos para apoiar os estados na investigação dos casos. Os estados do Amazonas e Roraima, inclusive, anteciparam a Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo ainda no primeiro semestre de 2018 por causa dos surtos nesses locais.

O objetivo é interromper a transmissão dos surtos que estão acontecendo, impedir que se estabeleça a transmissão sustentada e manter a sustentabilidade da eliminação do vírus do sarampo. Em todo o país, foram confirmados 10.274 casos de sarampo e 12 mortes, segundo boletim publicado no dia 9 de janeiro. O último caso confirmado no Amazonas ocorreu em 25/11/2018 e, em Roraima, o último caso foi no dia 03/12/2018.

VACINAÇÃO

O Sistema Único de Saúde (SUS) oferta gratuitamente duas vacinas que protegem contra o sarampo: a tetra viral que protege, além do sarampo, contra a rubéola, caxumba e varicela, e é administrada aos 15 meses, e a tríplice viral (sarampo, rubéola e caxumba), também aos 15 meses.

Para os estados que estão abaixo da meta de vacinação, o Ministério da Saúde tem orientado os gestores locais que organizem suas redes, inclusive com a possibilidade de readequação de horários mais compatíveis com a rotina da população brasileira. Outra orientação é o reforço das parcerias com as creches e escolas, ambientes que potencializam a mobilização sobre a vacina por envolver também o núcleo familiar. Outro alerta constante é para que estados e municípios mantenham os sistemas de informação devidamente atualizados.

O Ministério da Saúde ainda reforça que todos os pais e responsáveis têm a obrigação de atualizar as cadernetas de seus filhos, em especial as crianças menores de cinco anos, que devem ser vacinadas conforme esquema de vacinação de rotina.

ASSISTÊNCIA

Ao todo, o Ministério da Saúde já investiu R$ 159,3 milhões para ampliar o atendimento, em resposta à imigração de venezuelanos. Os recursos foram destinados para obras e compra de equipamentos em unidades de saúde, reforço e ampliação no atendimento hospitalar e na Atenção Básica, além da aquisição de vacinas para imunização da população contra doenças e kits com remédios e insumos. Também foram destinados recursos para aquisição de ambulâncias, vans para transporte sanitário, equipamentos odontológicos e Unidades Odontológicas Móveis (UOMS).

Atualmente, o governo brasileiro abriga, de forma permanente, mais de 5.723 migrantes, distribuídos em 13 abrigos, sendo 11 em Boa Vista e 2 em Pacaraima. O cuidado começa desde a entrada do imigrante vindo da Venezuela, que passa pelo Posto de Recepção e Identificação e pelo Posto de Triagem (cadastro, regularização migratória, documentação e oferta de lanche). No Posto de Atendimento Avançado há oferta de Pronto Atendimento Ambulatorial.

A Operação Acolhida teve início em meados de março de 2018 e destina-se a apoiar a organização das atividades de acolhimento de pessoas em situação de vulnerabilidade, decorrente do fluxo migratório no estado de Roraima.

Por Amanda Mendes e Victor Maciel, da Agência Saúde

Responda

Your email address will not be published.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More

Privacy & Cookies Policy